top of page

A história não contada dos judeus norte-africanos a bordo do SS Exodus

Enquanto o navio imigrante que serviu de base para o livro de Leon Uris e consequentemente o filme com Paul Newman seja lembrado principalmente por levar milhares de sobreviventes do Holocausto para a costa de Israel, um pequeno grupo de jovens judeus do Marrocos, Tunísia e Argélia se juntou a eles na perigosa jornada para a terra prometida.


Frank Scherschel, Public domain, via Wikimedia Commons


Jovens judeus do Marrocos, Tunísia e Argélia juntaram-se a milhares de judeus europeus na perigosa jornada além do bloqueio britânico e rumo à terra prometida.


Um desses jovens era Shlomo Buskila, nascido em Casablanca, que embarcou na jornada para a Terra Santa com seus amigos.


“Morei com minha família até os 17 anos, quando alguns de meus amigos e eu embarcamos em um barco para a França para participar de um programa sionista que nos permitiu fazer Aliyah e ingressar em um kibutz em Israel”, contou ele.

“Chegamos a Toulouse e nos juntamos ao programa em 1947, quando nos disseram que iríamos embarcar no Exodus. Em seguida, viajamos para o sul da França e embarcamos em um navio gigantesco transportando 4.500 pessoas, que percebemos serem em sua maioria sobreviventes do Holocausto.


Levamos uma semana para chegar a Haifa. Quando chegamos à costa, os britânicos nos embarcaram em seus próprios navios e nos disseram que estávamos voltando para a França. Cheguei a Haifa novamente apenas 11 meses depois, seis dias depois que Israel declarou sua independência. Fui convocado para o Palmach e lutei na Guerra da Independência.”


Buskila acreditava que os judeus norte-africanos a bordo do Exodus dificilmente são mencionados na história sionista devido ao seu pequeno número em comparação com seus pares da Europa.


“Não vivemos o Holocausto, então fica claro porque a história mais popular é sobre os muitos sobreviventes que estavam a bordo. Éramos um pequeno grupo de falantes de francês que chegaram de comunidades do norte da África e embarcaram no navio, e isso nos uniu.”


Michael Eylon foi outro judeu nascido em Casablanca que navegou para Israel no Exodus. “Não havia quase nada para comer, mas a melhor coisa da minha vida aconteceu enquanto eu estava naquele barco”, disse ele. “Conheci minha esposa Chava, que sobreviveu ao Holocausto na Hungria. Comecei a falar com ela apenas por meio de gestos, e nós dois sabíamos um pouco de hebraico.”


A filha de Eylon, Ruthie Acker, acrescentou que “minha mãe e meu pai se casaram três anos depois de se conhecerem no Exodus. Eles foram colocados em kibutzim diferentes, e minha mãe continuou procurando por ele porque os nomes de todos foram mudados depois que chegaram a Israel.”


Acker também enfatizou a importância de preservar a memória dos bravos rapazes e moças do norte da África que embarcaram no navio de imigrantes porque “as pessoas pensam que o Êxodo só tinha sobreviventes do Holocausto e judeus europeus a bordo”.

Aryeh Itamar, filho de sobreviventes do Holocausto, tinha apenas oito anos quando embarcou no Exodus, mas acreditava que preservar a memória daqueles jovens seria valioso para as gerações futuras.


“Sou filho de sobreviventes do Holocausto que fugiram de Odessa. Acredito que apenas quatro pessoas que embarcaram no navio e vieram do norte da África ainda estão vivas”, disse.


“Sua história corajosa raramente foi contada, eles não sobreviveram ao Holocausto, eram homens e mulheres jovens e nós os admirávamos. É uma pena que a história deles não tenha sido documentada, e agora estamos trabalhando para consertar isso.”


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page