top of page

Arqueólogos encontram um ramo medieval da Rota da Seda em Israel

Atualizado: 19 de jan. de 2023

Uma equipe de pesquisadores liderada pelo professor Guy Bar-Oz, da Universidade de Haifa, descobriu evidências de um novo ramo da Rota da Seda em Aravá, a meio caminho entre o Mar Morto e Eilat.



A filial parece ter se ramificado da tradicional Rota da Seda, conectando-se com rotas comerciais e portos marítimos. Os achados incluem tecidos de algodão e seda do início do período islâmico, cerca de 1.300 anos atrás, provavelmente importados da Índia e da China.


A Rota da Seda era a principal rota comercial internacional para o transporte de mercadorias exóticas do Extremo Oriente e da Índia para o Ocidente, cuja principal rota ia até Constantinopla.


O Prof. Bar-Oz e o Dr. Galili investigam os padrões de comércio no Oriente Médio no primeiro milênio analisando acumulações de lixo em locais ao longo da rota.


Suas investigações se concentram na compreensão da vida dos antigos comerciantes e na busca pelos restos dos tecidos e mercadorias exóticas com as quais eles negociavam. Eles estão atualmente examinando montes de lixo no Aravá que datam do final do século VII D.E.C., o início do período islâmico na região.

Os pesquisadores descobriram um tesouro de descobertas, incluindo tecidos, roupas, couro, itens de higiene e outros objetos que podem lançar luz sobre a cultura material e a vida cotidiana dos antigos residentes na região desértica. Os primeiros artefatos descobertos no local foram datados usando a tecnologia de datação por carbono 14 dos séculos VII a VIII D.E.C.


Muitos dos achados foram importados, como tecidos decorativos da Índia e seda da China, a primeira evidência da presença desses itens no atual Israel nesse período.


Os pesquisadores acreditam que os tecidos de algodão provavelmente vieram da Índia e da Núbia, e que os de seda são fortes indícios de comércio com a China. A variedade e riqueza dos achados sugerem uma grande demanda por artigos de luxo do Oriente neste período.

O sítio, considerado o mais importante em termos de têxteis antigos descobertos em Israel, também apresenta importantes recursos tecnológicos. Muitos tecidos de algodão foram descobertos, inclusive alguns com desenhos de ikat, técnica em que a urdidura é amarrada e tingida de acordo com um padrão previamente preparado antes da tecelagem. Essa técnica é rara no Oriente Próximo, mas é retratada em pinturas murais do século VI nas cavernas de Ajanta, na Índia.



Tecido encontrado nas escavações no deserto do Aravá - Israel Antiquities Authority (Reprodução)


Os tecidos também refletem uma influência iraniana, com algodão branco e lã colorida entrelaçados em um processo complexo, muito parecido com os tapetes ainda feitos no Irã e na Ásia Central hoje. Os pesquisadores também descobriram que muitas cores foram bem preservadas nos tecidos, incluindo o azul do índigo, o vermelho tirado da flor Rubia Tinctorum, o marrom e outras tonalidades.

Os pesquisadores descobriram que a rota do incenso nabateu havia parado de funcionar muito antes do início do período islâmico. Eles sugerem que as descobertas podem refletir um importante momento de globalização na história do deserto de Neguev, quando uma nova classe de mercadorias começou a ser transportada do Extremo Oriente e da Índia para os países mediterrâneos via Aravá e estradas que levam a Meca e Medina.


A escavação lança luz sobre os contatos globais com as fontes de tecelagem no Extremo Oriente e na Índia e fornece novos caminhos para rastrear as conexões políticas, tecnológicas e sociais moldadas pelas redes de comércio internacional.

As descobertas permitem um exame detalhado dos movimentos de mercadorias de longa distância, a disseminação geográfica de pessoas e ideias e as conexões entre centros de produção e rotas comerciais que não eram visíveis anteriormente, ou apenas parcialmente visíveis, em registros históricos. arqueológico. De fato, as descobertas no local têm potencial para uma compreensão nova e mais profunda do antigo comércio e interação.




9 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page