top of page

Israel luta pela sua sobrevivência contra a violência genocida islâmica e uma classe política corrupta em Washington D.C.



Recentemente Israel comemorou o seu 76º Dia da Independência. Geralmente num dia repleto de desfiles e fogos de artifício, o povo israelense irá, em vez disso, se dedicar à sombria tarefa de estar em guerra.


Uma grande parte da população está deslocada ou poderá em breve serÁ deslocada das suas casas perto da fronteira de Gaza e todos conscientes de que a qualquer momento poderão soar alertas da chegada de mísseis provenientes de Gaza, do Líbano, do Iémen ou do Irã.


Este ano, Yom HaZikaron, Dia Memorial comemorado anualmente pelos caídos, ofuscará Yom Ha’atzmaut ou Dia da Independência.


Tal como as maiores gerações da América, os homens e mulheres que lutaram arduamente pela independência de Israel, utilizando armas rudimentares e equipamento excedente da Segunda Guerra Mundial, estão desaparecendo da história.


Poucos se lembram agora de uma época em que Israel não existia e alguns passaram a considerá-lo um dado adquirido. Embora os jatos da Força Aérea Israelense não façam sobrevoos no dia de Yom Haatzmaut, os manifestantes de esquerda, alguns apoiados por interesses estrangeiros, continuarão as suas manifestações e motins que servem apenas para ajudar o Hamas.


E, no entanto, Israel declarou um novo tipo de independência antes do seu último Yom Ha’atzmaut.


Depois de quase meio ano de campanhas de pressão para acabar com a guerra, a administração Biden prosseguiu anunciando um embargo às armas ofensivas a Israel. Não é a primeira vez.


Em 1947, a administração Truman impôs um embargo de armas a Israel. Truman, tal como o actual Democrata na Casa Branca, tinha jogado um jogo duplo familiar, oferecendo reconhecimento diplomático a Israel e discursos entusiasmados aos eleitores judeus, ao mesmo tempo que prometia, em privado, aos muçulmanos o contrário e assegurava que Israel não teria as armas para se defender.


Quando a plataforma do Partido Republicano declarou que tinha “orgulho do fato de o Partido Republicano ter sido o primeiro a apelar ao estabelecimento de uma Comunidade Judaica livre e independente” e condenou a “vacilação da Administração Democrata”, Truman revidou com raiva, alegando que apoiou a plataforma Democrata e o seu apelo à “revisão do embargo de armas para conceder ao Estado de Israel o direito de autodefesa”. Isso era uma mentira.


Truman apoiou o embargo de armas desde o início. Três meses antes da plataforma Democrata ter sido adotada, a administração apoiou uma resolução da ONU que incluía um embargo de armas.


Truman estava dizendo uma coisa e fazendo outra. Tal como Biden, Truman vinha seguindo considerações políticas.


Foi por isso que os diplomatas foram avisados para evitar qualquer movimento anti-Israel nas Nações Unidas antes do dia das eleições.


Mesmo sob o embargo de armas, Israel sobreviveu a uma invasão por cinco nações muçulmanas.


“Você simplesmente não entende. Quarenta milhões de árabes vão empurrar quatrocentos mil judeus para o mar. E isso é tudo”, previu o secretário de Defesa, James Forrestal.


Três gerações depois, Israel ainda está aqui.


O 76º Dia da Independência de Israel chegou novamente. Mais uma vez, o Estado Judeu luta pela sua sobrevivência contra a violência genocida islâmica e uma classe política corrupta em Washington D.C.


É reaprender a velha lição de que os presidentes dizem uma coisa para consumo público e fazem outra. E essa independência não é apenas uma aspiração, é uma simples questão de sobrevivência.


A traição de Biden a Israel foi inevitável. A cegueira dos líderes israelenses relativamente a essa eventualidade, a sua convicção de que se seguissem todas as diretrizes da Casa Branca, teriam o apoio de que necessitavam para acabar com o Hamas em Gaza, era uma fantasia delirante.


A melhor aposta de Israel consistia em fazer rapidamente o que era necessário. Tudo o que a administração Biden queria apenas atrasou o esforço de guerra e condenou o próprio apoio com que Israel contava.


Um dia depois de fazer um discurso no Museu do Holocausto sobre o seu apoio a Israel, Biden disse à CNN que o apoio acabou.


Mas Truman tinha usado um truque semelhante num comício no Madison Square Garden, quando disse aos eleitores judeus de Nova Iorque que era responsável por estabelecer Israel “como um Estado político livre e independente”, mesmo quando este lutava pela sua sobrevivência.


A administração Truman continuou a apoiar tréguas inúteis da ONU (as antecessoras dos cessar-fogo igualmente dúbios de hoje) que permitiram aos terroristas islâmicos da Irmandade Muçulmana (a organização-mãe do Hamas) continuarem a atacar cidades judaicas e a massacrar judeus.


Enquanto Truman dizia uma coisa aos eleitores judeus na cidade de Nova Iorque antes do dia das eleições, Israel evacuava crianças como parte da “Operação Bebé” das comunidades da linha da frente sitiadas por terroristas durante a última “trégua”. No Kibutz Manara, as crianças tiveram de ser evacuadas do topo da montanha em caixas de vegetais, numa cena posteriormente recriada no filme “Êxodo”.


Manara teve de ser evacuada novamente após os ataques do Hamas de 7 de outubro e estima-se que metade das casas da comunidade foram destruídas depois que terroristas islâmicos do Hezbollah disparassem foguetes todos os dias contra a aldeia. As pessoas que vivem lá não podem voltar para casa. Mas, ao contrário dos apoiantes do Hamas que choram em Gaza, não se verá a cara deles no noticiário da noite.


Depois das eleições de 1948, não só não houve vendas de armas, mas a Casa Branca ficou chateada porque Israel começou a vencer. Os Egípcios não só não conseguiram empurrar os Judeus para o mar, mas os Judeus estavam agora a empurrá-los de volta para o Sinai.


Um mês depois das eleições, nas quais 75% dos judeus votaram nele, Truman exigiu que Israel se retirasse imediatamente ou a sua administração “reexaminaria” as suas relações, na sua maioria inexistentes.


Truman, que mais tarde reivindicaria o crédito pela criação de Israel, pouco mais fez do que fornecer reconhecimento de fato (e não de direito) a Israel, mantendo ao mesmo tempo o embargo de armas.


A ação de Truman permitiu ao Egipto controlar Gaza e entregá-la à Irmandade Muçulmana para ataques terroristas regulares contra Israel. E isso levou diretamente à ascensão do Hamas e à guerra actual.


É também por isso que Truman deveria receber mais crédito pela criação do Hamas do que pela criação de Israel.


Na verdade, Truman só começou a vender armas a Israel em 1950, muito depois do país ter sobrevivido à guerra, e apenas para poder também vender armas aos seus inimigos árabes muçulmanos, como parte de um acordo com o Reino Unido, afim de “manter um equilíbrio aproximado”. de poder entre Israel e os estados árabes.“


Os judeus americanos viveram durante muito tempo com o mito reconfortante de “Eddie Jacobson” de que Truman interveio em nome de Israel devido a um apelo do seu amigo de longa data e parceiro de negócios.


A verdade é que a administração Truman opôs-se à criação de um Estado, até que Israel avançou e o declarou, opôs-se a qualquer presença israelense em Jerusalém e bloqueou o caminho para a vitória, até que Israel avançou e venceu, não por causa de Truman, mas apesar dele.


Desde então a história se repetiu continuamente. E muitos israelenses, que costumavam saber mais, acreditaram no mito tolo de que o seu país existia porque Truman “gostava” deles.


Milhões de judeus foram assassinados na Europa, apesar de todos os políticos que afirmavam gostar deles, mas que depois não fizeram nada por eles. Centenas de milhares de judeus em Israel resistiram aos exércitos e construíram um Estado, não porque os políticos gostassem deles, mas porque lutaram pela sua independência.


Os Acordos de Oslo, feitos para que Israel fosse apreciado, levaram-no à beira da destruição. Se Israel quiser desfazer isso e todo o projeto colonial “palestino”, terá um tempo limitado para agir. Mesmo depois de 7 de outubro, estava muito preocupado em ser apreciado para fazer o que tinha que ser feito.


Tal como a América, Israel quer ser apreciado depois dos ataques terroristas islâmicos, quando o que precisa é vencer.


No 76º aniversário da sua independência, Israel foi mais uma vez forçado a declarar a sua independência de um democrata da Casa Branca que prometeu apoio publicamente enquanto o apunhalava pelas costas em privado. Entrar em Rafah e acabar com o Hamas será uma celebração mais significativa do Yom Ha’atzmaut ou do Dia da Independência do que qualquer desfile com bandeiras.


A independência não está nos fogos de artifício que você dispara, mas na ação independente.


Ao contrário do mito popular, a ajuda externa a Israel não é prova de que Jerusalém controla D.C., mas que D.C. controla Jerusalém. O que é muitas vezes descrito de forma enganosa como ajuda não é um grande cheque, é um emaranhado com a indústria de defesa dos EUA que impede Israel de travar uma guerra prolongada sem permissão.


Desde a Guerra da Independência e a Guerra do Canal de Suez em 1956, a prioridade tem sido garantir que Israel não será capaz de prosseguir unilateralmente uma campanha militar. Uma vez negadas as armas, Israel as recebeu em troca de ser colocado sob controle fora de D.C.


O dia 7 de outubro tornou-se o teste final à independência de Israel. E este Memorial Day e Dia da Independência determinarão se uma nação de quase 10 milhões de habitantes é verdadeiramente livre para fazer mais do que lamentar os seus mortos, mas mais uma vez tomar medidas independentes para proteger o seu futuro vivo.


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page