top of page

O Shulklaper: O protagonista da véspera de Rosh HaShaná

Nos Shtetls da Europa Oriental, o Shulklaper – algo como “despertador da Sinagoga” em iídiche -, era o responsável por acordar seus companheiros congregantes a tempo das orações matinais e no meio da noite para slikhes ou slichos (novamente em iídiche – Selichot, em hebraico) as orações penitentes recitadas durante todo o mês que antecede os Iamim Noraim, ou Dias de Temor, entre Rosh HaShaná e Iom Kipur. Ele batia nas persianas com um pequeno martelo todos os dias, exceto no Shabat, quando usava o punho.

Imagem: “Shulklaper”, c. 1995, do livro “They Called Me Mayer July: Painted Memories of a Jewish Childhood in Poland Before the Holocaust” . Imagem de Mayer Kirshenblatt. (Reprodução)


A menção mais antiga de uma Shulklaper é de 1225 na Alemanha. Mas deixar os moradores de uma cidade saberem quando era hora de orar é aparentemente uma tradição muito mais antiga: no século II d.C., o líder de oração convocava seus congregados tocando um Shofar.


Embora possa parecer uma profissão de baixo status hoje, eram tidos em alta conta pelos judeus medievais. Como o despertador da sinagoga ia de casa em casa, ele era conhecido por todos na cidade, até mesmo por seus vizinhos cristãos. Algumas comunidades mantinham seu pequeno martelo dentro da arca da Torá. Muitas vezes, o número de batidas feitas com o martelo foi mantido o mesmo de geração em geração. Nas comunidades sefarditas, bedels também iam de casa em casa para despertar os judeus para a oração, embora sem martelo.


Uma bela descrição de um Shulklaper aparece no livro memorial escrito sobre o Shtetl polonês Sochaczew (em iídiche: Sokhatsher). Moyshe Aron Shulklaper batia três vezes na veneziana fechada com seu martelo de madeira. Se alguém tivesse morrido, ele batia apenas duas vezes. “A terceira batida do martelo, que nunca veio, pairava no ar, provocando arrepios em todos que a ouviam. Significava a morte, o cemitério, o banho de um cadáver e um funeral. Um suspiro escaparia de seu peito e lágrimas brotariam em seus olhos.”


E assim Moyshe Aron Shulklaper tornou-se o “anunciador de alegria e tristeza”. Sua terceira batida do martelo foi sempre aguardada com esperança. Parece que esses sentimentos sobre o Despertador da sinagoga são muito antigos. Uma fonte, A. Ziskind, escreveu no século 16: “Quando o despertador da sinagoga batia apenas duas vezes, eu suspirava. Mas quando ele batia três vezes, meu coração pulou de alegria.”


Quando Moyshe Aron Shulklaper ia ao barulhento mercado na tarde de sexta-feira e começava a bater com seu martelo nas venezianas das lojas abertas para anunciar que o Shabat estava chegando, o caos geralmente se instalava. Tanto os lojistas quanto seus clientes corriam para terminar suas transações.


As palavras que o Despertador da sinagoga gritava antes das slikhes se tornaram uma canção. A primeira linha da música geralmente era: “Levantem-se judeus (ou crianças), para servir ao criador! Levante-se para slikhes!” O escritor iídiche galego Gershom Bader observou que em Cracóvia, o Despertador do Shul ia de casa em casa durante slikhes cantando “Judeus, judeus kosher, queridos judeus, levantem-se, levantem-se para slikhes”. Em vez de bater em todas as janelas, porém, ele só batia nas janelas daqueles que lhe haviam feito uma doação.


Nos dias anteriores a Rosh HaShaná, o Despertador da sinagoga convocava os judeus de forma diferente, “chamando os ancestrais”. Ele cantava:


“Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, Arão, Davi e Salomão,

Levantem-se! Os judeus estão no exílio,

Levante-se para seus slikhes sagrados.”


O Shulklaper então batia nos portões da sinagoga e chamava os rabinos de outrora no céu: “Levantai-vos e suplicai pelos judeus!”


A figura do Despertador do Shul é tão pitoresca que ele aparecia frequentemente em representações literárias do Shtetl. Em seu romance autobiográfico “Shloyme Reb Chaim’s”, Mendele Mocher Sforim escreve sobre Yudl, o Despertador de sinagogas, que era sapateiro por profissão. Ao contrário de outras comunidades, ele batia duas vezes na janela para convocar os judeus para a oração e três vezes quando alguém morria. Ele também batia na janela nas tardes de sexta-feira, gritando “Judeus para a casa de banhos!”


Durante os slikhes, ele não apenas batia, mas também abria as persianas até ter certeza de que as pessoas lá dentro haviam acordado. A comunidade não o pagava por seu trabalho, mas ele era convidado para todos os casamentos e celebrações da cidade. Mendele Mocher Sforim escreve que o fato de que a mesma pessoa convocava os judeus tanto para a sinagoga quanto para a casa de banhos aumentava marcadamente o prestígio deste último.


E como é hoje a tradição de bater nas persianas para acordar os judeus a tempo da sinagoga? Em vez do tradicional Despertador de sinagoga, os membros da comunidade hassídica de Belz em Meah Shearim são acordados por um carro com um alto-falante tocando a velha canção “Arise for Slikhes”.


Você pode ouvir uma versão popular da música interpretada por Yermiah Damen aqui:



(N.E: Shul é Sinagoga, em iídiche)


19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Komentáře


bottom of page