top of page

Fui demitido. Criei uma StartUp

Atualizado: 23 de jul. de 2021

Parece que este é o dito mais certo em Israel nos últimos tempos. E tem dado certo!




Há cerca de anos, a Teva, a maior empresa de Israel, uma multinacional farmacêutica baseada na cidade de Petah Tikvah decidiu cortar um terço dos seus empregados, muitos deles não tiveram dúvidas: Investiram em suas próprias StartUps. A grande maioria ligadas ao desenvolvimento de softwares.


O downsizing da Teva deu novo vigor à indústria de ciências da vida de Israel. Veteranos da empresa lançaram ou se juntaram a startups que buscam novas formas de descobrir drogas, desenvolver softwares para ajudar os médicos a trabalhar com mais eficiência, ou usar tecnologia que permita aos pacientes monitorar sua saúde. “Quando comecei a procurar a minha próxima posição, parecia que o grupo de empresas relevantes em Israel não era muito grande”, diz Micah Pearlman, um ex-estrategista de lançamentos de medicamentos da Teva, que se demitiu em abril e em maio já estava em uma empresa de inteligência artificial que trabalha no desenvolvimento de medicamentos biológicos. “Descobri que minhas preocupações iniciais mudaram.”


Como a maior fabricante mundial de medicamentos genéricos e a única empresa Big Pharma de Israel, a Teva forneceu a milhares de israelenses as habilidades necessárias para a indústria. Mas o setor de medicamentos não teve o mesmo efeito de gigantes da tecnologia, como a Intel e a Check Point – ou mesmo as Forças de Defesa de Israel – que geraram milhares de empresas menores que sobrecarregaram o crescimento do país. Menos de 1% da força de trabalho de Israel trabalha para empresas farmacêuticas, contra cerca de 5% da tecnologia.


Mas a atração do mercado global de cuidados de saúde de US $ 2 trilhões está se mostrando difícil para os veteranos de tecnologia ignorarem. Enquanto eles costumavam se concentrar em áreas como segurança cibernética e veículos autônomos, agora eles estão migrando para empresas de tecnologia médica. O investimento em startups de saúde digital e farmacêutica israelenses cresceu mais de 50% nos últimos dois anos, para US $ 425 milhões, segundo a “Start-Up Nation Central”, uma organização sem fins lucrativos que promove o setor de tecnologia do país. “As pessoas da área de tecnologia estão procurando se conectar com os profissionais de saúde”, diz Yair Schindel, diretor do fundo de capital de risco de assistência médica AMoon Partners. “Quando eles se encontram com pessoas que têm 10, 15 ou 20 anos de experiência na Big Pharma com a Teva, é um jogo sério.”


A Teva é há muito a maior empresa de Israel em receita e valor de mercado. Embora tenha prosperado com a venda de drogas genéricas, só recentemente começou a se concentrar em seus próprios medicamentos de marca, um negócio que reflete mais de perto a inovação e a tomada de riscos comuns em StartUps do que o mundo “comoditizado” dos genéricos. Então, em dezembro, com queda de lucros e dívidas que excedem o valor da empresa, a Teva disse que cortaria um quarto de sua força de trabalho global de 56.000 e cerca de 2.000 empregos em Israel – praticamente um terço da sua força de trabalho no país.


Os problemas da farmacêutica ecoam a paralisação em 1987 do projeto Lavi, uma tentativa desajeitada patrocinada pelo Estado para construir caças a jato. O fim do programa deixou milhares de engenheiros e cientistas sem emprego. Mas seu fracasso é amplamente visto como um catalisador para a indústria de tecnologia do país, responsável por quase metade dos US $ 101 bilhões de Israel em exportações no ano passado e emprega cerca de 200 mil pessoas. As exportações farmacêuticas, em contraste, foram de apenas US $ 7,5 bilhões no ano passado, e a Teva foi responsável por mais da metade disso.


Como muitas economias avançadas, Israel hoje em dia está cheia de dinheiro privado, grande parte do qual foi investido em StartUps de tecnologia médica. Os executivos dessas empresas estão usando o dinheiro para contratar pessoas com habilidades adquiridas na Teva: executando testes clínicos, gerenciando processos de fabricação altamente regulamentados ou criando estratégias comerciais para novos produtos. Em maio, dois ex-diretores da Teva, apoiados por US $ 60 milhões de investidores, fundaram a 89Bio Ltda., que busca desenvolver dois medicamentos em estágio inicial comprados da gigante farmacêutica. A Clexio Biosciences, formada em abril por vários veteranos da Teva, pagou à farmacêutica por terapias e tecnologias destinadas a tratar doenças que assolam o sistema nervoso central.


Até mesmo alguns ex-executivos da Teva que emigraram estão protegendo suas apostas ao se aliarem a empresários em sua terra natal. Iris Grossman saiu em março, depois que a empresa fechou os projetos de pesquisa que supervisionou, e está se mudando para Boston, onde será diretora científica de uma startup de biotecnologia. Ao mesmo tempo, ela e outros veteranos da Teva lançaram a TheRx Therapeutics, uma empresa em Haifa que busca usar mineração de dados e inteligência artificial para acelerar o desenvolvimento de medicamentos. O empreendimento de Boston ajuda a “sustentar minha família, mas isso é uma coisa de curto prazo e espero voltar daqui a cinco ou seis anos”, diz Grossman. “A indústria em Israel está indo na direção certa.”


Conclusão – Os veteranos da próspera indústria de tecnologia de Israel estão migrando para startups ligadas à saúde, já que os investimentos no setor cresceram mais de 50% nos últimos dois anos.

10 visualizações0 comentário

Comentários

Não foi possível carregar comentários
Parece que houve um problema técnico. Tente reconectar ou atualizar a página.
bottom of page