top of page

O Legado de Sir Ben Helfgot

Sobrevivente do Holocausto, Atleta Olímpico e Defensor dos Direitos Humanos


Sir Ben Helfgott, cujo falecimento recente ocorreu aos 93 anos, foi um atleta de classe mundial, incansável defensor da educação sobre o Holocausto, filantropo de destaque e uma pessoa excepcional. Sua vida foi repleta de momentos notáveis, e aqui estão alguns fatos incríveis sobre sua trajetória.


O Presidente de Israel, Isaac Herzog, em visita oficial, e Sir Ben Helfgot, em Londres, em 2021.

Kobi Gideon / Government Press Office, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons


Desde cedo, os esportes ensinaram-lhe a resiliência. Nascido em Piotrkow, uma pequena cidade na Polônia, Ben cresceu cercado por uma comunidade judaica amorosa que compunha quase um terço da população local. Seu pai, Moshe, administrava um moinho de farinha, enquanto sua mãe, Sara, cuidava de Ben e de suas irmãs, Mala e Lucia. Além disso, Ben tinha cerca de duas dúzias de primos que moravam nas proximidades.


Ben se destacou tanto nos estudos quanto nos esportes. Vencia corridas contra os outros garotos da cidade e foi capitão do time de futebol de sua escola. Anos depois, ele creditou seu amor precoce pelos esportes por ter incutido nele um forte senso de espírito esportivo e força interior. "Eu jamais teria sobrevivido ao Holocausto sem essa força", disse ele posteriormente.


O pai de Ben, Moshe, contrabandeava alimentos para seus companheiros judeus. Após a invasão da Polônia pela Alemanha em 1939, os nazistas começaram a perseguir os judeus imediatamente. Em Piotrkow, todos os judeus foram ordenados a se mudar para uma seção apertada da cidade designada como o Gueto Judeu. Eles viviam em constante perigo. Ben recordou como, um dia, os nazistas locais transportaram centenas de homens judeus - incluindo dois tios de Ben - para um cemitério judeu próximo. Os judeus foram ordenados a entrar no cemitério em fila única, e cada homem que entrava era executado a tiros.


O pai de Ben percebeu que ele e outros judeus estavam enfrentando a fome no gueto. Ele falsificou um passe que o permitia sair do gueto por curtos períodos de tempo e entrou em contato com antigos funcionários gentios que lhe forneciam pequenas quantidades de trigo para levar de volta ao gueto. Dentro do gueto, Moshe improvisou um pequeno moinho de farinha e produziu pequenos lotes de farinha para os judeus que estavam aprisionados ali.


Ben escapou da morte tornando-se um escravo nazista. Quando tinha 12 ou 13 anos, Ben conseguiu um "emprego" em uma fábrica de vidro, carregando caixas pesadas pelo depósito. Ele não era remunerado por esse trabalho, mas esse trabalho forçado conseguiu salvar sua vida. Em 1942, quando Ben tinha apenas 13 anos, os nazistas levaram 500 judeus do gueto até uma das sinagogas da cidade e, de lá, os levaram para uma floresta próxima. No coração da floresta, todos os 500 judeus foram fuzilados. Sua mãe e sua irmã Lucia estavam entre eles.


Logo em seguida, Ben, junto com seu pai e sua irmã Mala, foram recrutados como trabalhadores escravos em outro negócio local. Eles eram mantidos aprisionados perto de uma fábrica, onde trabalhavam diariamente construindo barracos. Mais tarde, na vida, Ben recusou-se a aceitar que tinha sido explorado como escravo pelo empresário local dono da fábrica: ele explicou que suas condições de trabalho não eram tão terríveis. No entanto, ele e os outros judeus que trabalhavam na fábrica nunca foram autorizados a sair. Em vez de receber qualquer pagamento, recebiam rações escassas para sobreviver.


Ben foi enviado para o notório campo de concentração de Buchenwald. Em 1944, a segurança precária que Ben, seu pai e sua irmã haviam encontrado na fábrica chegou ao fim. Diante das crescentes perdas nos campos de batalha, Hitler decidiu acelerar a aniquilação dos judeus europeus. A velocidade de envio de judeus para campos de concentração e extermínio aumentou. A irmã de Ben, Mala, foi enviada para Ravensbruck, um campo de concentração para mulheres na Alemanha. Ben e seu pai foram enviados para Buchenwald, um temível campo de concentração nos arredores da pitoresca cidade alemã de Weimar.


O Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos descreve os horrores que Ben e outros prisioneiros enfrentaram em Buchenwald:

"Esta área era cercada por uma cerca de arame farpado eletrificado, torres de observação e uma corrente de sentinelas, equipadas com metralhadoras automáticas. Dentro do campo principal, havia um bloco de punição notório, conhecido como o Bunker... Era onde os prisioneiros que violavam as regulamentações do campo eram punidos e frequentemente torturados até a morte". A comida era escassa e muitos prisioneiros morriam de fome e doenças. Médicos alemães realizavam experimentos médicos bárbaros nos prisioneiros de Buchenwald. Periodicamente, os prisioneiros eram enviados para campos de extermínio próximos para serem gaseados até a morte.

"Era um lugar terrível", lembrou Ben mais tarde. "Tudo o que tínhamos para comer era uma sopa que cheirava a urina e um pedaço de pão".


O pai de Ben foi morto a tiros ao tentar escapar. Em 1945, quando Ben tinha apenas 16 anos, as forças nazistas abandonaram Buchenwald. Ben foi transferido para o campo de concentração de Theresienstadt. Juntamente com outros 30.000 judeus, seu pai, Moshe, foi forçado a participar de uma marcha da morte que matou dezenas de milhares de judeus. Moshe Helfgott tentou escapar da marcha da morte e foi morto a tiros pelos guardas nazistas. Ben se tornou um órfão, completamente sozinho no mundo. Mais tarde, ele disse: "Acho que sou o último judeu de Piotrkow".


Após a libertação, Ben emigrou para o Reino Unido. Ele se estabeleceu em Londres, onde começou uma nova vida. Ele se casou com Arza e teve dois filhos. Paralelamente à sua vida pessoal, Ben redescobriu sua paixão pelo esporte e começou a competir no levantamento de peso. Ele representou a Grã-Bretanha nos Jogos Olímpicos de Melbourne, em 1956, e nos Jogos Olímpicos de Roma, em 1960. Seu desempenho no esporte lhe rendeu reconhecimento e admiração em todo o mundo.


Após sua aposentadoria do levantamento de peso, Ben dedicou-se a educar as pessoas sobre o Holocausto. Ele se tornou um palestrante e ativista dedicado, compartilhando sua história e transmitindo a importância de lembrar o passado para construir um futuro melhor. Em 1988, ele fundou a Associação dos Sobreviventes do Holocausto de Londres, que se tornou uma força motriz na educação e preservação da memória do Holocausto.


Além disso, Sir Ben Helfgott foi um filantropo generoso, estabelecendo a Fundação Ben Helfgott para apoiar iniciativas educacionais e culturais, bem como ajudar sobreviventes do Holocausto. Seu trabalho incansável e compromisso inabalável deixaram um impacto duradouro na comunidade judaica e na sociedade em geral.


A vida de Sir Ben Helfgott é uma inspiração para todos nós. Ele superou inimagináveis atrocidades, transformou sua dor em força e dedicou sua vida a tornar o mundo um lugar melhor. Sua história é um lembrete poderoso da resiliência humana e da importância de lutar contra a injustiça, promover a tolerância e garantir que as lições do passado nunca sejam esquecidas.


8 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page