top of page

Sobrevivente do Holocausto abre os trabalhos do Senado italiano

O discurso de Liliana Segre, senadora de 92 anos, abriu a sequência de eventos que deve levar o partido Irmãos da Itália, que tem suas raízes em um movimento neofascista, à chefia do governo da Itália.


Imagem Liliana Segre no Senado italiano (Reprodução)


O passado fascista da Itália e seu futuro governado por um partido com origens neofascistas veio à tona na quinta-feira, quando um sobrevivente do Holocausto presidiu a primeira sessão do Parlamento desde as eleições gerais do mês passado.

Liliana Segre, uma senadora vitalícia de 92 anos, chefiou a sessão de abertura da câmara alta, substituindo outra senadora ainda mais velha, mas que não pôde comparecer.


Seu discurso abriu formalmente a sequência de eventos que deve levar o partido Irmãos da Itália, que ganhou mais votos nas eleições de 25 de setembro e que tem suas raízes em um movimento neofascista, para ser o primeiro partido de extrema-direita da Itália a governar desde o fim da Segunda Guerra Mundial.


Falando ao Senado, Segre se maravilhou com o “valor simbólico” da coincidência de seu papel com o momento histórico que a Itália vive. Ela observou que estava presidindo o Senado quando a Itália marcou o 100º aniversário da Marcha sobre Roma, que levou o ditador fascista Benito Mussolini ao poder, justamente quando a Europa vive mais uma guerra com a invasão da Ucrânia pela Rússia.


“Hoje estou particularmente comovida com o papel que o destino me reserva”, disse Segre à câmara silenciosa. “Neste mês de outubro, que marca o centenário da Marcha sobre Roma que deu início à ditadura fascista, cabe a mim assumir temporariamente a presidência deste templo da democracia, que é o Senado da República.”


Segre foi uma das poucas crianças italianas que sobreviveram à deportação para um campo de extermínio nazista, e ela passou as últimas décadas contando a crianças italianas sobre o Holocausto. Sua defesa levou o presidente Sergio Mattarella a nomeá-la senadora vitalícia em 2018, quando a Itália marcou o aniversário da introdução das leis raciais da era fascista que discriminavam os judeus.


Em seu discurso, Segre chegou a se engasgar de emoção ao lembrar que essas leis proibiam crianças judias como ela de frequentar a escola.


“É impossível para mim não sentir uma espécie de vertigem, lembrando que aquela mesma garotinha que em um dia como este em 1938, desconsolada e perdida, foi forçada pelas leis racistas a deixar seu banco vazio na escola primária. E que, por algum estranho destino, essa mesma garota hoje se encontra na bancada mais prestigiosa, no Senado.”


Suas palavras emocionadas levaram os 200 senadores a aplaudir de pé, incluindo a delegação dos Irmãos da Itália chefiada por Ignazio La Russa. La Russa, que certa vez exibiu orgulhosamente sua coleção de objetos de Mussolini, é candidato a presidente do Senado italiano.


Os Irmãos da Itália, liderados por Giorgia Meloni, têm suas origens no Movimento Social Italiano, ou MSI, fundado em 1946 por ex-funcionários de Mussolini e atraindo simpatizantes fascistas para suas fileiras. Permaneceu um pequeno partido de extrema-direita até a década de 1990, quando se tornou a Aliança Nacional e trabalhou para distanciá-lo de seu passado neofascista.


Meloni era membro dos ramos juvenis do MSI e da Aliança Nacional e fundou o Irmãos da Itália em 2012, mantendo o símbolo da chama tricolor do MSI no logotipo do partido.

Durante a campanha, em meio a alegações democratas de que ela representava um perigo para a democracia, Meloni insistiu que a direita italiana “entregou o fascismo à história há décadas” e condenou as leis raciais e a supressão da democracia.


Segre não se referiu ao partido pelo nome em seu discurso, mas disse que os eleitores italianos expressaram sua vontade nas urnas.


“O povo decidiu. É a essência da democracia”, disse Segre. “A maioria que sai da votação tem o direito de governar, e a minoria tem a obrigação igualmente fundamental de estar na oposição.”


Olhando para a próxima legislatura, ela pediu um debate civilizado que não degenere em discurso de ódio e respeite a Constituição italiana.


Ela especificou o Artigo 3 da Constituição, que afirma que todos os cidadãos italianos são iguais perante a lei “sem distinção de sexo, raça, idioma, religião, opinião política ou condição pessoal ou social”.


Abaixo, você confere a matéria do Jornal Nacional sobre o discurso de Liliana no Senado italiano.



25 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page