top of page

A Torah como Chuva e Orvalho

Parashat Ha’Azinu

(Deuteronômio\ Devarim 32: 1–52)


Lida entre Yom Kipur e Sucot, a Parashá Ha’Azinu (“Escuta” em hebraico), a penúltima do ciclo de leitura anual, contém de forma poética, mas duras as vezes, as últimas palavras de Moshé, naquela que é conhecida como Canção de Moshé. Nesta Canção Moshe Rabeinu, pede que os Céus e a Terra escutem as palavras que dirá, comparando sua Instrução com Chuva e Orvalho. Existe um Midrash que explica que se inclinarmos nossos ouvidos para Escutar a Torah, toda criatura celestial ou terrena, fará silêncio para que possamos escutar todos os ensinamentos contidos nela. Rashi, o grande comentarista medieval francês, explica que assim como a Chuva significa alegria e Vida para a Terra, assim é a Torah dada a Israel, que é Vida para todo o mundo, porém quando chove todos notam e se alegram, porém o orvalho que cobre a Terra todas as manhãs, requer nossa atenção, pois sua natureza discreta não clama pelos nossos sentidos, podendo passar despercebida. Mas assim como a chuva, o orvalho também é ofertado em gotículas, ambas favorecem a fertilidade do solo, como a Torah favorece o crescimento moral de quem escuta suas palavras, conclui o sábio medieval.


Nesta Canção, HaShem é comparado a Uma Águia pois oferece proteção aos seus filhos e a uma Rocha, Tzur Israel, Rocha de Israel. Ibn Ezra, que viveu na Espanha Islâmica na idade média, comenta sobre a comparação com Rocha, lembrando que estas e outras comparações são metafóricas e que O Eterno não tem forma, mas assim como a Rocha é Forte e Permanente, significando Seu caráter Atemporal, bem como a imutabilidade das Leis da Natureza. Porém a Parashá traz diversas advertências ao caráter teimoso do povo de Israel, que mesmo assim recebe muitas bênçãos, pois apenas a Justiça e as Obras de D”us São Perfeitas. Ouvir estas advertências logo após o Yom Kipur, porém também pode ser observado por lentes otimistas. Refletindo sobre esta porção semanal, em sua obra Kedushah Levi, o Rabino chassídico, Levi Ytzhak de Berdichev (1740-1810), um dos mestres da fase criativa do chassidismo, conhecido por sua intensa piedade e amor incondicional pelo judeus, nos lembra que nossos Sábios no Tratado Talmúdico de ‎‎Pessachim, declara que a única razão pela qual o povo judeu foi disperso pelo mundo, ao invés de em uma ilha isolada, foi para que os demais povos pudessem conhecer os valores judaicos e assim ter uma chance de se converterem ao judaísmo.


Assim embora cheia de advertências a possíveis castigos, a canção de Moshé, também traz a lembrança de que recebemos a Torah como Chuva e Orvalho, com os quais podemos fertilizar nossos corações e mentes para o correto entendimento, tendo chance de ser rápido como a chuva ou suavemente como o orvalho. E assim como lembra o rabino Levi Yitzhak de Berdichev, sermos uma Luz para as Nações, através da vivência de Valores Judaicos.



Imagem de jplenio por Pixabay

66 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page