top of page

Médico árabe salva vítimas do terrorismo em Tel Aviv

O Dr. Nidal Muhanna poderia ter enviado um colega para o Centro Médico Tel Aviv Sourasky naquela noite, mas se sentiu obrigado a "dar um exemplo diferente".


Dr. Nidal Muhanna falando com o Jornal do Canal 12 de Israel. Foto: captura de tela



O chefe árabe de cirurgia otorrinolaringologista e pesquisa de câncer do Centro Médico Sourasky, em Tel Aviv tornou-se um herói inesperado em meio a uma onda de ataques terroristas mortais em Israel – um deles realizado por moradores da cidade onde mora.


Às 21h30 do dia 7 de abril, o Dr. Nidal Muhanna estava dirigindo sua família para Umm al-Fahm – uma cidade árabe israelense no distrito de Haifa – quando recebeu um telefonema do Prof. Ronni Gamzu, CEO do centro médico.


Gamzu disse a Muhanna que 10 vítimas de um ataque terrorista na rua Dizengoff, em Tel Aviv, foram levadas às pressas para o hospital. Um deles precisava urgentemente da experiência de um especialista em otorrinolaringologista e pediu a Muhanna que enviasse um colega o mais rápido possível.


Em vez de encontrar outro médico, Muhanna imediatamente deixou sua família no meio do caminho e “voou para Tel Aviv”.


“Quando cheguei, [a paciente] já estava em uma sala de cirurgia com risco imediato de morte. Juntamente com uma equipe de cirurgiões e anestesistas altamente profissionais, consegui parar o sangramento e estabilizá-la até que ela estivesse fora de perigo”,relatou Muhanna.


Minutos depois, ele atendeu aos graves ferimentos faciais de outra vítima do tiroteio.


“Em uma operação complexa, paramos o sangramento e ele também está se recuperando”, disse Muhanna.


Dando um exemplo diferente


Quando solicitado a explicar por que ele próprio assumiu a difícil tarefa, Muhanna explicou que em 27 de março, dois homens de Umm al-Fahm realizaram um ataque mortal em Hadera que deixou dois policiais de fronteira de 19 anos mortos e outras oito pessoas feridas.

“Cerca de duas semanas atrás, terroristas da cidade onde moro realizaram um ataque horrível. É importante para mim neste dia em particular dar um exemplo diferente.

Noventa e nove por cento dos moradores de Umm al-Fahm e do setor árabe apoiam a coexistência e são contra a violência e a matança.

Este não é o nosso caminho e é contrário ao Islã.”


Em uma mensagem que o centro médico postou no Facebook, Muhanna disse que esperava “dias tranquilos e seguros para todos nós, toda a sociedade israelense, judeus e árabes”.


Treinado na Universidade Hebraica de Jerusalém e mais tarde no Princess Margaret Cancer Center em Toronto, Muhanna disse que salvar vidas é uma missão natural e óbvia para ele.

“Este é o ABC da humanidade. Porque foi assim que fui criado em casa – em Umm al-Fahm.”


6 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page