top of page

O que Israel está fazendo pela Ucrânia

Israel tem uma enorme população oriunda da antiga União Soviética. Isso a coloca em uma situação privilegiada para entender a cultura tanto da Rússia quanto da Ucrânia. Não a toa, que segundo o jornal inglês Financial Times, presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pediu ao primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, que mediasse as negociações com o líder russo, Vladimir Putin, o que foi, recusado.


Manifestantes carregam cartazes e bandeiras durante um protesto contra a invasão russa à Ucrânia, em Jerusalém, em 24 de fevereiro de 2022. Foto de Yonatan Sindel/Flash90 (Reprodução)



Além disso, uma equipe israelense, cruzou a fronteira para a Romênia na noite de terça-feira, acompanhando mais de 100 órfãos, marcando o fim de uma operação para salvá-los do país devastado pela guerra.


O cônsul de Israel na Romênia, Roni Shabtai, estava lá para recebê-los e, com as conexões de Israel na Romênia, ele os ajudou a cruzar a fronteira.


O Ministério das Relações Exteriores comprou cobertores, meias, aquecedores de mãos e equipamentos e os acompanhará até a chegada a Israel.


Os órfãos ficarão em Cluj nos próximos dias e de lá seguirão para Israel.


O primeiro-ministro Naftali Bennett disse que mais de 100 órfãos judeus “em breve terão uma nova vida em Israel”.


“Ouvi inúmeras histórias nos últimos dias sobre a dedicação e salvamento de vidas do inferno na Ucrânia.


“Em nome dos cidadãos de Israel, agradeço ao embaixador israelense na Romênia, David Saranga, e ao cônsul Roni Shabtai, que recebeu as crianças na fronteira com cobertores e meias. Venha, estamos te esperando em casa”, disse.


Esta operação é uma das muitas conduzidas pelos emissários de Israel implantados nas fronteiras da Ucrânia com a Polônia, Hungria, Eslováquia e Moldávia.

“Seis dias em meio a uma guerra difícil na Ucrânia, e há momentos em que as palavras não são suficientes”, disse o ministro das Relações Exteriores, Yair Lapid.


“Israel é o único país cujos representantes, quase 100 pessoas, estão nas travessias há seis dias, estendendo ajuda e resgatando israelenses com dedicação, em condições difíceis, com muito orgulho.


“Tenho orgulho de ser israelense”, disse ele.


Além disso, A empresa israelense TytoCare forneceu 50 dispositivos de telemedicina que permitirão que crianças em aldeias isoladas do leste da Ucrânia sejam examinadas e monitoradas remotamente por médicos e enfermeiros.


Os dispositivos foram transferidos para 10 centros médicos no leste da Ucrânia por meio do Fundo UNICEF das Nações Unidas. O objetivo é evitar que as crianças tenham que viajar longas distâncias para atendimento médico durante a guerra.



Crédito: Photo courtesy of TytoCare/ Reprodução



Andrej Slavutskij, chefe do Programa de Saúde da UNICEF na Ucrânia, disse: “Com mais de 400.000 crianças vivendo na área afetada pelo conflito, quase 20.000 delas residem em locais com difícil acesso aos cuidados de saúde. Essa iniciativa é de extrema importância, principalmente em tempos de pandemia do Covid-19. A telemedicina nos permitirá aumentar o acesso a serviços essenciais de saúde para as famílias mais desfavorecidas, além de proteger os profissionais de saúde da linha de frente”.


E não para por aqui.

A ONG israelense IsraAID está enviando uma equipe de emergência para a Moldávia para fornecer apoio ao crescente número de ucranianos que fogem de seu país em busca de segurança contra a agressão russa.


Com os combates na Ucrânia e na capital, Kiev, se intensificando depois que a Rússia invadiu o país em 24 de fevereiro, centenas de milhares de refugiados ucranianos estão chegando às fronteiras do país, muitas vezes com nada mais do que uma sacola de pertences.


A IsraAID espera ter uma equipe na Moldávia no início desta semana e se concentrará inicialmente na distribuição urgente de ajuda e no apoio à saúde mental para refugiados vulneráveis ​​recém-chegados.


“Estamos profundamente preocupados com a devastadora situação humanitária que está se desenrolando na Ucrânia”, disse Yotam Polizer, CEO da IsraAID. “Mais uma vez, estamos vendo um potencial influxo de um grande número de refugiados na Europa que precisam de apoio urgente.”


De acordo com o governo da Moldávia, mais de 15.800 ucranianos cruzaram para a Moldávia na sexta-feira, 25 de fevereiro. As agências de ajuda humanitária temem que até cinco milhões de ucranianos possam tentar fugir do país, a maioria composta por mulheres e crianças.


A Moldávia, juntamente com outros países fronteiriços ucranianos, relaxou ou removeu as restrições à entrada da Ucrânia, incluindo a necessidade de portar passaporte ou apresentar um certificado de vacinação COVID-19.


A equipe do IsraAID também avaliará as necessidades no terreno na Moldávia e em outros países fronteiriços ucranianos e fornecerá apoio adicional conforme necessário.

Esta não é a primeira vez que a IsraAID trabalha com refugiados na Europa e em todo o mundo. Em 2015, o IsraAID lançou programas de apoio a refugiados de longo prazo na Grécia e na Alemanha, ajudando os refugiados da guerra civil síria.


No ano passado, a ONG também lançou um programa em andamento na Albânia de apoio a refugiados evacuados do Afeganistão depois que o Talibã assumiu o poder.

A IsraAID também trabalhou apoiando populações deslocadas, inclusive em cenários de pós-conflito e crises prolongadas, em países como Colômbia, Quênia, Sudão do Sul e Uganda.


“Há muitos anos, trabalhamos com refugiados na Europa e em todo o mundo, e nosso foco será garantir que os ucranianos mais vulneráveis ​​​​que buscam segurança tenham acesso a suprimentos e apoio urgentes”, disse Polizer. “Nossa equipe ficará na Moldávia pelo tempo que for necessário e poderá se deslocar para outros países fronteiriços ucranianos à medida que a situação se desenvolver.”


17 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page